Dá-nos a tua opinião sobre o filme Amanhecer-Parte 1 AQUI.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Entre Rosas e Espinhos - 2º Capítulo

Olá!
Eu queria postar esta fanfic mais vezes por semana, mas sem comentários isso não vai dar!
Vá lá pessoal...apenas 2 comentários o anterior??
Se houver mais comentários mais capitulos por semana irão ler.
Então o horário da fic, por enquanto, fica igual ao da fanfic A Cura, ou seja ás terças, quintas e sabádos ás 15 horas.
Outra coisa: esta fanfic contem cenas de sexo, por tanto quem nao gosta não leia.
Continuem a comentar, a Manucar, escritora desta fic, agradece.


2º Capítulo

Sou Jacob Black.

Tenho dezenove anos e não posso ser considerado um santo e nem quero esse título,não mesmo odeio essa coisa de bom moço.

Só que o meu pai ama isso.

Seu nome é Bill Black é um cara certinho e muito rabugento às vezes,na verdade esse estado de humor se deve dês de que a minha mãe morreu num acidente de carro a um ano,seu nome era Sarah.

A minha vida deu uma guinada de trezentos e sessenta voltas,nunca pensei que passaria por aquilo,meu pai estava dirigindo e acabou numa cadeira de rodas.

Deixei de ser um garoto bonzinho nesse exato dia.

Ser bonzinho não está com nada,o legal mesmo é infernizar as pessoas e não deixar pedra sobre pedra.

E é assim que eu vivo dês de então.

Só que fui pego,bebendo na escola por um professor e acabei batendo no cara,bom ele só ta hospitalizado,nem morreu nem nada,não sei por que tanto drama.

O resultado?

Fui expulso e o pior,meu pai me matriculou num internato,tentando me “acalmar”,pode?

Como se isso fosse me deter.

Tenho um hobby de

Estou arrumando as minhas coisas para esse tal colégio,quando Leah joga pedrinhas na minha janela.

-Iai gostosão,não vai zoar não?-Pergunta com um vestido extremamente curto,com um decote enorme,Leah é uma deusa,corpo escultural,olhos azuis,cabelos negros e ondulados e boca carnuda.

Só que é a maior galinha de La Push.

Todo mundo come ela e eu não sou diferente.

Não vou formar um relacionamento com uma vadia dessas,não mesmo,ela só serve mesmo para uma distraçãozinha básica e olhe lá.

-Cara tava afim,mas de alguma coisa mais interessante.-Disse com um sorriso malicioso.

-Com você gato eu falo sem problemas coisas mais interessantes.-Disse umedecendo os lábios com a língua.

To precisando relaxar mesmo.

Sai pela janela,escalando a mesma,peguei Leah e sai a toda velocidade pelas ruas de La Push,senti o vento em meus cabelos,o sentimento de liberdade e de felicidade de se instaurava em mim.

Esse sentimento de liberdade,que sempre aparecia quando,me metia em alguma encrenca.

Quando eu me soltava.

Não me sentia mais aquele Jacob prezo,com problemas de relacionamento,sou outra pessoa agora.

Olho por olho,dente por dente.

Saco?

Chegamos numa velha cabana abandonada e Leah começou a se esfregar em mim,de uma maneira vulgar,tudo nela é vulgar.

Mais a puta é gostosa,o que pode-se fazer?

Entramos e ela começou a tirar seu vestido minúsculo,mostrando que só está de fio dental preta.

Qual homem em sam consciência desperdiça isso?

Tomei seus lábios com intensidade e a fiz enlaçar a minha cintura,minha despedida de La Push,no meu atual estilo.

Sem nenhuma delicadeza a joguei na cama e fui tirando a minha roupa,a fada ficou me analisando mordendo o lábio inferior de uma forma provocante,me deixando cheio de tesão.

Estou completamente nu,com o pênis ereto e cheio de tesão,coloco a camisinha e arranco a peça minúscula de Leah,começando a penetrá-la,sem a menor delicadeza ou premiliminares.

Um vai e vem frenético fazendo a safada gritar de prazer e pedi por mais,esse exercício faz meu corpo relaxar por completo,já tentei a academia,só que esse exercício é bem mais prazeroso.

Quando explodi no orgasmo deixei a puta,na cama estirada,morrendo de cansaço e completamente ofegante.

Não gosto de dar carinho para que não merece isso.

Um dia quem sabe encontrarei uma garota,”a” garota,aquela que balançara as minhas estruturas.

Quem sabe um dia.

Leah está dormindo,verifiquei.

Troco de roupa e pego minha moto,ela me conhece e sabe que não fico ao seu lado depois do sexo,subtendesse que já que não reclama e ainda volta a me procurar,não tem problema nenhuma com isso,então tudo bem.

Volto para a minha casa e tomo um banho,para tirar o perfume barato da minha pele,termino de arrumar minhas coisas e deito.

Alguém me balança freneticamente e quando eu abro os olhos vejo meu pai,com cara de poucos amigos.

-Acorda.-Disse nervoso.-Quero que levante e se arrume,estamos partindo para Seattle em menos de uma hora.-Reclamou.

Suspirei e fiz o que ele quis muito desgostoso.

Nem sei por que estou fazendo tudo isso,na verdade sei,por que ele conseguiu me tirar da cadeia sem,sujar a minha ficha na polícia,ele tem moral com o chefe de policia o senhor Swan,Charlie Swan.

Eu era amigo da filha dele,só que acabamos nos distanciando com o tempo,crescemos e cada um tem seus gostos e vida.

Arrumei-me e peguei a minha mochila.

Cheguei na sala e tomamos um rápido café da manhã,meu pai não me dirige nenhuma palavra muito menos olha para mim,como se eu ligasse para isso,quando terminamos rumamos para o tal internato.

Coloquei meus pés no lado de fora,meu queixo caiu,parece que estou indo para o convento,cheio de freiras,fiscais e uma uniforme ridículo,os homens,de blusa social e calça Jens e gravata,as mulheres,uma saia de prega,praticamente até o joelho,blusa social,gravata e uma meia que chega até a metade da panturrilha.

Não da para ver,absolutamente,NADA.

Que merda!

Fomos para a diretoria e encontramos a diretora,para completar é uma freira de sessenta anos de idade.

Eu só devo ter jogado pedra na cruz.

Ela me deu o maior sermão dizendo o que posso e o que não posso fazer,como se ela mandasse em mim,vou fazer o que quiser e ela não tem nada haver com isso.

Meu pai deu apenas um aceno de cabeça quando se despediu.

Respirei fundo peguei meus horários,como se eu fosse assistir essas aulas,meu uniforme e tentei procurar o corredor dos dormitórios.

Foi ai que ELA,apareceu,uma garota de cabelos acobreados,ondulados,olhos chocolates e pele alva,mesmo com um monte de roupa posso perceber o quão bem feita é.

Ela passou por mim como se eu não fosse nada,o mulherzinha metida.

Quando finalmente entrei no meu quarto,ele estava vazio.

Coloquei minhas roupas na cama e tive de trocar de roupa,afinal fui avisado que se não usasse essa coisa nos dias de semana seria suspenso.

E ela ta com sorte pois hoje estou bonzinho.

Me direcionei para o refeitório e quando entrei o burburinho começou,que maravilha.

Um grandão,de cabelos loiros e olhos azuis se aproximou de mim.

-Você deve ser o Jacob.-Disse com um meio sorriso.

-Sou e você quem é?-Pergunto tentando decifrar quem é o cara.

-O maior pesadelo desse colégio.-Disse rindo.

-Já gostei de tu.-Falei pegando sua mão.

Ele gargalhou e nos encaminhou para sua mesa,foi ai que me esbarrei em alguém,quando me viro a “metida”,está completamente ensopada,parece que é suco de uva.

-O QUE VOCÊ FEZ SEU DEMENTE?-Gritou.

-EU NÃO SOU DEMENTE.-Gritei de volta e ela ficou mais vermelha do que um pimentão.

-É SIM,NÃO OLHA POR ONDE ANDA NÃO?-Disse nervosa.

-OLHO SIM SUA PATRICINHA DE MEIA TIGELA,VOCÊ DEVERIA REVER SEUS MODOS.-fui sarcástico.

-OLHA QUE FALA DE MODOS?-Disse com um tom nada amável.-UM TROGLODITA.-Ao que parece todos estão observando nossa pequena discussão.

Foi ai que um homem loiro apareceu,aparentemente é um professor.

-OS DOIS PARA A DIRETORIA!-Gritou como se mandasse no pedaço.

A garota arregalou os olhos e seguiu,fiz menção se não segui-la só que o cara me lançou um olhar mortal.

-Ta vendo o que você fez sua paty ridícula?-Pergunto sussurrando.

-Eu tenho culpa de você ser um troglodita?-Pergunta me encarando e sai com o nariz empinado.

Definitivamente eu odeia essa garota.

Sem comentários: